Produzido por Mariano Marovatto.


Gravado entre 2007 e 2009 do Leblon a Laranjeiras.


Faixas 01, 02 e 04 mixadas por Marcos Thanus no Flamengo.


Masterizado por Igor Ferreira Leite em Vargem Grande.


Desenhos feitos pela Raïssa em Botafogo.

01. Ce Soleil Qui Supporte La Jeunesse Ancienne (Mariano Marovatto)
Vozes: Mariano, Miguel e Francisco Perdigão. Colagens: Mariano.

“Ce soleil qui supporte la jeunesse ancienne”, em bom português, “o sol que suporta a velha juventude”, é um verso do poema “Belle main”, ou “Bela mão”, que está no livro Les mains libres (Mãos livres) de Paul Éluard. A primeira edição do livro, de 1917, vem acompanhada de desenhos feitos, a mão livre, por Man Ray. Essa faixa seria, num primeiro momento, a faixa de abertura do disco Aquele amor nem me fale, quando ele ainda tinha um título em inglês: You’ll die when you hear. As gravações das vozes de meu irmão, de meu pai e minhas são de 1989.


02. Caledônia Cage (Mariano Marovatto)
Vozes: Mariano e Bruna Beber. Teclado: Ricardo Dias Gomes. Praia: Leblon, Rio de Janeiro.

Já escrevi algumas vezes sobre a minha relação platônica com a Nova Caledônia e a composição desse poema. Talvez esta seja a faixa não-canção mais antiga do projeto You’ll die when you hear. As vozes gravamos eu e Bruna na casa de Bernardo Palmeira. O teclado foi gravado por Ricardo na minha casa no mesmo dia em que ele gravou o baixo de “Tanto” para Aquele amor nem me fale. O mar do Leblon eu gravei em mini-cassete no inverno de 2007, num dia de muito vento e praia vazia.


03. Almoço com Schubert (Mariano Marovatto)
Sonata para piano em si bemol de Schubert com obra no apartamento vizinho.

Durante anos fui acordado pelas obras dos vizinhos do prédio de 74 apartamentos onde morei no Leblon. O barulho específico dessa obra, tão atordoante, vinha do vizinho de baixo. Coloquei o Schubert pra tocar enquanto almoçava com a obra. Gravei a performance de nós três: eu e meu almoço, a obra do pedreiro e o pianista de Schubert.


04. Turning Point (Ronaldo Tapajós)
Voz: Ronaldo Tapajós. Toca-fitas: Mariano.

Chegamos à metade do disco. Com a palavra, Ronaldo Tapajós.


05. Jesus (Mariano Marovatto / Domingos Guimaraens / Augusto Guimaraens Cavalcanti sobre texto de Armando de Oliveira de Souza)
Vozes: Domingo Guimaraens e Augusto de Guimaraens Cavalcanti.

Um dos primeiros experimentos sonoros d’Os Sete Novos, ainda antes do Amoramérica. Augusto traduziu para o inglês, e Domingos para o espanhol, as respostas da famosa entrevista de Armando de Oliveira de Souza, o Jesus, concedida a Givanildo Silveira para o programa Sem meias palavras.


06. 10 e 11 (Mariano Marovatto)
Órgão Hering: Mariano.

Esta é uma reprodução fidelíssima da minha primeiríssima obra musical, composta aos sete anos de idade. Gravei no mesmo órgão Hering, que era (e ainda é) do meu irmão, em que compus e que costumava tocar com frequência para a minha mãe escutar. O nome “10 e 11” refere-se aos números das teclas, impressos no órgão, cujas notas são repetidas insistentemente ao longo da música.


07. Oceanside (Mariano Marovatto)
Vozes: Mariano.

Poema incluído em Amoramérica. A gravação foi feita especialmente para antologia digital Enter, organizada pela Heloísa Buarque de Hollanda, em 2009.